Mais de 480 milhões de animais morreram devido aos graves incêndios na Austrália

- 21:05

Atingidos pelas chamas ou mortos pela falta de comida e abrigo, mais de 480 milhões de animais foram vítimas dos devastadores incêndios florestais que devastam a Austrália desde setembro.

O cálculo refere-se apenas às espécies de uma grande parte dos mamíferos, aves e répteis que habitam o estado de Nova Gales do Sul, que com seus 36.000 quilômetros quadrados de terras, uma área semelhante à de Taiwan, é a mais afetado pelas chamas.

"É um desastre sem precedentes do ponto de vista da vida selvagem", disse Chris Dickman, ecologista da Universidade de Sydney, que enfatizou que seus cálculos excluem insetos, peixes, sapos e alguns mamíferos, como morcegos.

"Alguns animais foram morreram no incêndio, outros teriam voado ou foram enterrados no subsolo", acrescentou Dickman, enfatizando que "o perigo é quando eles retornam ou vão à superfície e não encontram comida ou encontram raposas ou gatos que os perseguem. ”


Dickman, que foi presidente da Sociedade Australiana de Animais e do Comitê Científico de Nova Gales do Sul, e sua equipe da Universidade de Sydney, fez a estimativa com base em um estudo do World Wide Fund for Nature (WWF) ) de 2007 sobre o impacto do abate de árvores nos animais.

Esse trabalho do WWF combinou dados da superfície do desmatamento com os de outros estudos sobre a densidade populacional de mamíferos em Nova Gales do Sul, uma fórmula que a equipe de Dickman usou para alcançar sua estimativa.

O especialista disse que, extrapolando os resultados para todo o país, onde foram queimados 50.000 quilômetros quadrados de terra ou uma área comparável à da Costa Rica, o número de animais afetados pode chegar a um bilhão.

O desequilíbrio nos ecossistemas

O impacto dos incêndios não será conhecido com precisão até que os cientistas possam entrar nas áreas afetadas, mas já é estimado que o dano seja imenso devido ao desequilíbrio causado nos ecossistemas, onde muitas das espécies afetadas contribuem para a polinização de transporte de plantas ou sementes, entre outros.

Dickman observou que a recuperação de áreas queimadas pode ser afetada pela ausência dessas espécies que desempenham um papel fundamental na saúde de diferentes habitats.

“Se os ecossistemas afetados estiverem isolados, pode levar muitos anos até que algumas espécies retornem. Existem muitos répteis e mamíferos que não têm muita mobilidade. E alguns podem nunca voltar ”, disse o ecologista.

Segundo o especialista, outros ecossistemas que não foram levados em consideração também serão afetados, como os rios, que sofrerão uma degradação da qualidade de suas águas, o que terá consequências nas fontes alimentares dos animais que vivem neles.

AUSTRÁLIA, LUGAR DE ESPÉCIES ÚNICAS

A Austrália abriga uma grande variedade de animais únicos em seu território continental, com cerca de 300 espécies nativas, incluindo marsupiais como cangurus e coalas, monotremados como ornitorrincos e equidnas e placentários como dingos.

Destas, cerca de 244 espécies ou 81% são encontradas apenas na Austrália, informou a Universidade de Sydney em comunicado.

“O que é assustador é que cerca de 34 espécies de mamíferos nativos da Austrália se extinguiram nos últimos 200 anos com a colonização. É a maior taxa de perdas em qualquer região do mundo ”, disse Dickman, afirmando que está relutante em pensar que a catástrofe provocada por incêndios é a nova norma.

"Com a aceleração das mudanças climáticas, teremos períodos mais longos de seca e os incêndios serão mais severos no futuro", disse o ecologista, defendendo o trabalho conjunto entre cientistas e governos.

Fonte: americadigital

Publicidade