Publicado em: ,

Tatuagens em animais: moda ou abuso animal?

Compartilhe

"A razão ou o juízo é a única coisa que nos faz homens e nos distingue dos animais...".

René Descartes

Em dezembro de 2014, o estado de Nova York decretou uma lei que evita tatuagens e piercings em animais. Provavelmente, em mais partes do mundo, comecem a realizar leis que evitem essas práticas por considera-las desumanas e inconscientes.

Muitos asseguram que as touradas e os animais de circo são práticas desumanas, outros assistem com dedicação todos os fins de semana para desfrutar de um show e se divertir. 

Atualmente, alguns donos tem feito mudanças drásticas em seus animais de estimação para se beneficiar: Cães que não latem para evitar o aborrecimento de seus donos, cortar as orelhas e caudas de animais de estimação para torná-los mais estéticos ou casos controversos na arte.

Quando pensamos que já vimos de tudo, diferentes pessoas estão determinadas a ir além do que poderíamos imaginar.

Um deles é Eduardo Kac. Este artista brasileiro é conhecido por inventar o bioart e modificar geneticamente a estrutura de um coelho para pintá-lo de verde. Além disso, o estudioso inglês Cohen Van Balen inventou uma bactéria para que os pombos defecassem  detergente e não suas fezes corrosivas.


Mas as transformações animais não terminam por aí. Hoje, muitas pessoas decidiram tatuar cachorros, gatos e até porcos para serem ad hoc com seus donos. Até em que ponto é válido mudar a aparência dos animais de estimação? Isso se tornou uma prática irresponsável e indiferente diante da dor animal?



Cada um decide o que fazer com seu corpo. Nós podemos mudar nossa aparência como queremos: tatuagens, piercings e qualquer expressão corporal são válidas, desde que escolhamos fazê-las. Isso não acontece com os animais, pois são seres que não podem expressar negatividade a essas práticas, torna-se automaticamente um ato de agressão.


Adaptar e alterar o corpo de um animal é desnecessário e doloroso. Alguns argumentam que eles fazem isso com anestesia para evitar a dor, mas nem todos os proprietários são tão atenciosos a lembrar de que a tatuagem arde como uma queimadura dias depois de realizá-la. 






Fonte: [ CulturaColectiva ]


"A razão ou o juízo é a única coisa que nos faz homens e nos distingue dos animais...".

René Descartes

Em dezembro de 2014, o estado de Nova York decretou uma lei que evita tatuagens e piercings em animais. Provavelmente, em mais partes do mundo, comecem a realizar leis que evitem essas práticas por considera-las desumanas e inconscientes.

Muitos asseguram que as touradas e os animais de circo são práticas desumanas, outros assistem com dedicação todos os fins de semana para desfrutar de um show e se divertir. 

Atualmente, alguns donos tem feito mudanças drásticas em seus animais de estimação para se beneficiar: Cães que não latem para evitar o aborrecimento de seus donos, cortar as orelhas e caudas de animais de estimação para torná-los mais estéticos ou casos controversos na arte.

Quando pensamos que já vimos de tudo, diferentes pessoas estão determinadas a ir além do que poderíamos imaginar.

Um deles é Eduardo Kac. Este artista brasileiro é conhecido por inventar o bioart e modificar geneticamente a estrutura de um coelho para pintá-lo de verde. Além disso, o estudioso inglês Cohen Van Balen inventou uma bactéria para que os pombos defecassem  detergente e não suas fezes corrosivas.


Mas as transformações animais não terminam por aí. Hoje, muitas pessoas decidiram tatuar cachorros, gatos e até porcos para serem ad hoc com seus donos. Até em que ponto é válido mudar a aparência dos animais de estimação? Isso se tornou uma prática irresponsável e indiferente diante da dor animal?



Cada um decide o que fazer com seu corpo. Nós podemos mudar nossa aparência como queremos: tatuagens, piercings e qualquer expressão corporal são válidas, desde que escolhamos fazê-las. Isso não acontece com os animais, pois são seres que não podem expressar negatividade a essas práticas, torna-se automaticamente um ato de agressão.


Adaptar e alterar o corpo de um animal é desnecessário e doloroso. Alguns argumentam que eles fazem isso com anestesia para evitar a dor, mas nem todos os proprietários são tão atenciosos a lembrar de que a tatuagem arde como uma queimadura dias depois de realizá-la. 






Fonte: [ CulturaColectiva ]

Qual é a sua opinião?