Confirmado: O vulcão mais ativo do mundo se move em direção ao mar com o risco de um forte tsunami

- 23:26

O Monte Etna, localizado na ilha italiana da Sicília, é o vulcão mais antigo da Europa. Em um estudo recente, confirmou que toda a estrutura se move em direção ao Mar Mediterrâneo, a um ritmo de 14 milímetros por ano.

A equipe de cientistas, liderada pelo Reino Unido, publicou seus resultados no Boletim de Vulcanologia, e garante que esse movimento possa causar riscos na área no futuro, portanto, leva um controle abrangente da situação conforme necessário.

John Murray, principal autor do estudo e geólogo da Open University no Reino Unido, disse à Russia Today: "Esta é a primeira vez que isso é observado em um vulcão ativo, embora seja conhecido por ocorrer em vulcões extintos, este é o a primeira vez mostra que um vulcão inteiro se move dessa maneira. "


Murray estudou o vulcão por quase meio século e instalou uma rede de estações de GPS ao redor da montanha para estudar seu comportamento e mudanças no cone do vulcão.


Após 11 anos de estudo, concluiu-se que o Etna está se movendo em direção à cidade costeira de Giarre, que fica a cerca de 15 quilômetros na direção Leste-Sudeste.


Embora o movimento do vulcão não represente uma ameaça imediata à população da ilha e um movimento de 14 mm por ano possa parecer minúsculo, Investigações geológicas em diferentes regiões do mundo mostram que os vulcões que se movem nesse ritmo podem sofrer falhas catastróficas no lado principal durante sua descida e levar a colapsos no solo.


O que é importante considerar e controlar é como esse movimento pode influenciar a maneira como o vulcão é avaliado diariamente. Quando o magna sobe e deforma a montanha é um sinal de possíveis erupções próximas, o deslizamento deve ser levado em conta para avaliar essas possíveis erupções.


"Etna é um dos vulcões mais ativos do mundo, provavelmente o mais ativo no momento. Tivemos literalmente centenas de erupções nos últimos cinco anos”, disse Murray, acrescentando que o Monte Etna continua a surpreender a comunidade científica porque não se encaixa no modelo de vulcão padrão.


Compartilhe esta nota e lembre-se de nos apoiar com um Like.

Fonte: porquenosemeocurrio

Publicidade