Aeromoça vê "preciso de ajuda" escrito em carta no banheiro do avião e chama a polícia

- 12:50

Estar em um avião para a maioria das pessoas está relacionado a férias. Normalmente, o ambiente é alegre e positivo e deixa todos os seus problemas por trás.

Shelia Fedrick trabalhou como atendente de voo por muitos anos e é acostumada a lidar com muitas situações que podem ocorrer durante o voo. Mas neste dia ela não tinha ideia de que esse voo mudaria sua vida para sempre. Quando ela passou pelo corredor, notou um detalhe que chamou sua atenção.



Um homem bem vestido estava sentado ao lado de uma menina loira com roupas velhas. Ela olhou para cima quando Shelia passou, e ela sentiu como o olhar da menina chegou profundamente ao seu coração.

Quando tentou falar com o homem, ele imediatamente ficou Bravo. Ela percebeu que algo estava errado e foi ao banheiro do avião onde deixou um papel e um lápis, ela esperava que a menina usasse isso se ela precisasse de ajuda.

Quando ela passou pela menina, fez um sinal para ela ir ao banheiro.

Encontrou a nota

A menina seguiu as instruções e, quando Shelia foi ao banheiro, encontrou a nota onde a menina havia escrito "Preciso de ajuda".

Shelia rapidamente informou ao piloto da situação de emergência e quando o avião aterrissou, a polícia já estava pronta para deter o homem.

A menina tinha cerca de 14 anos e passou pelas mãos das autoridades. Descobriu-se que ela era uma vítima de tráfico de pessoas e foi sequestrada dois meses antes.



Foi no ano de 2001 que Shelia descobriu a garota que tinha então cerca de 14 anos. Após o evento, tornou-se membro da Airline Ambassadors e agora foi treinada para descobrir mais casos de tráfico de seres humanos.

"Há tantos sinais se alguém estiver atento", diz ela.

Poucas semanas após o incidente, Shelia recebeu um telefonema. Era a menina que a chamou para agradecer por ter salvado sua vida.

Ela voltou a se encontrar com seus pais e estava em terapia para processar o que havia passado.

Tanto meninas como meninos são exploradas sexualmente, por exemplo, como mão de obra barata ou soldados, para serem adotadas ou forçadas a cometer crimes, mendigar ou traficar drogas. Não podemos aceitar isso.


Compartilhe o artigo para espalhar essa informação e prestar homenagem a Shelia e a todas as aeromoças que trabalham para prevenir o tráfico de pessoas.


Fonte: newsner

Advertisement