Publicado em: ,

O genocídio que ninguém fala e está prestes a exterminar um povo inteiro

Compartilhe

O genocídio parece ser uma coisa do passado. Uma memória cinzenta que está ao alcance de qualquer pessoa em museus, monumentos e filmes que atestam o quão arriscado é assumir o caminho da indiferença e do ódio racial. No entanto, a intolerância, o fanatismo e o surgimento de diferentes ideologias obtusas são capazes de criar um barril de pólvora que - mais uma vez - mostra o lado mais insignificante e decadente da humanidade.

Em pleno século XXI, o momento atual não é exceção:  se trata dos Rohingyas, um povo de pouco mais de um milhão de habitantes que agora enfrenta uma perseguição selvagem de tortura e morte que ameaça exterminá-los.


A diferença entre os 90% dos habitantes de Myanmar que praticam o Budismo, os rohingyas são muçulmanos e isso parece ser uma razão convincente para criar um estigma histórico contra sua comunidade. Apesar do fato de que este grupo étnico tenha vivido pacificamente na província de Arakán, no oeste da Birmânia, durante séculos, lugar onde eles fizeram sua casa.

A versão oficial para começar sua perseguição é que eles são uma ameaça, chamando-os de imigrantes e minimizando sua religião e costumes.

A noção de que é um grupo perigoso que cresce incontrolavelmente e que tende ao fanatismo religioso é amplamente reproduzido pelo aparelho governamental, instalado nas mentes de milhões.

O conflito que nasceu com o fim da Segunda Guerra Mundial agravou na década de 80, quando uma nova ofensiva do governo cortou aos poucos direitos detidos pelos rohingyas, tornando-os ilegais e sem qualquer possibilidade de viver uma vida plena.



Atualmente, os Rohingya são menos do que estrangeiros para o governo local: as leis não os reconhecem como cidadãos, proíbem o trânsito gratuito e não têm o direito de casar, nem mesmo receber saúde, educação ou propriedade.

Tal campanha do governo contribuiu para legitimar o genocídio que está em andamento no imaginário coletivo da maior parte da sociedade budista, que observam com indiferença a caça que se desenvolve desde então e se intensificou seriamente na última época.

A ofensiva da política de Mianmar, guiada pela conselheira de Estado Aung San Suu Kyi – que ironicamente ganhou o Prêmio Nobel da Paz - é evidente: violações coletivas, assassinatos, tortura e desaparecimentos são algumas das atrocidades cometidas pelas forças de segurança contra essa minoria étnica; destaca um relatório da ONU sobre a situação dos Rohingyas nos primeiros meses de 2017.


Em Arakan, a parte norte do país e um núcleo de concentração Rohingya, a repressão não tem fim: de ataques policiais que terminam em ferozes caças de limpeza étnica com execuções e queima de aldeias incluídas, até uma perseguição militar que tem causado um êxodo enorme para Bangladesh, país vizinho a oeste, onde a maioria morrerá afogado em naufrágios lotados. Ao mesmo tempo, o cenário tem favorecido a criação de grupos radicais de ambos os lados, que lutam por seus direitos e pela conquista do extermínio de um povo que a própria ONU chama de "sem pátria e sem amigos".

Apesar da gravidade, o conflito não recebe a atenção necessária do resto do mundo, tanto pela campanha ideológica que começou nos Estados Unidos no início do século XXI caracterizando o muçulmano como um homem perigoso com ideais terroristas, como pelo cerco informativo mantido pelas próprias autoridades que provocam o consentimento do extermínio Rohingya.


Diante da passividade e do desinteresse internacional. Existe apenas o silêncio cúmplice que ameaça concluir um genocídio mais uma vez.

Fonte: Cultura Colectiva
Referencias: ONU/ Amnistía Internacional


O genocídio parece ser uma coisa do passado. Uma memória cinzenta que está ao alcance de qualquer pessoa em museus, monumentos e filmes que atestam o quão arriscado é assumir o caminho da indiferença e do ódio racial. No entanto, a intolerância, o fanatismo e o surgimento de diferentes ideologias obtusas são capazes de criar um barril de pólvora que - mais uma vez - mostra o lado mais insignificante e decadente da humanidade.

Em pleno século XXI, o momento atual não é exceção:  se trata dos Rohingyas, um povo de pouco mais de um milhão de habitantes que agora enfrenta uma perseguição selvagem de tortura e morte que ameaça exterminá-los.


A diferença entre os 90% dos habitantes de Myanmar que praticam o Budismo, os rohingyas são muçulmanos e isso parece ser uma razão convincente para criar um estigma histórico contra sua comunidade. Apesar do fato de que este grupo étnico tenha vivido pacificamente na província de Arakán, no oeste da Birmânia, durante séculos, lugar onde eles fizeram sua casa.

A versão oficial para começar sua perseguição é que eles são uma ameaça, chamando-os de imigrantes e minimizando sua religião e costumes.

A noção de que é um grupo perigoso que cresce incontrolavelmente e que tende ao fanatismo religioso é amplamente reproduzido pelo aparelho governamental, instalado nas mentes de milhões.

O conflito que nasceu com o fim da Segunda Guerra Mundial agravou na década de 80, quando uma nova ofensiva do governo cortou aos poucos direitos detidos pelos rohingyas, tornando-os ilegais e sem qualquer possibilidade de viver uma vida plena.



Atualmente, os Rohingya são menos do que estrangeiros para o governo local: as leis não os reconhecem como cidadãos, proíbem o trânsito gratuito e não têm o direito de casar, nem mesmo receber saúde, educação ou propriedade.

Tal campanha do governo contribuiu para legitimar o genocídio que está em andamento no imaginário coletivo da maior parte da sociedade budista, que observam com indiferença a caça que se desenvolve desde então e se intensificou seriamente na última época.

A ofensiva da política de Mianmar, guiada pela conselheira de Estado Aung San Suu Kyi – que ironicamente ganhou o Prêmio Nobel da Paz - é evidente: violações coletivas, assassinatos, tortura e desaparecimentos são algumas das atrocidades cometidas pelas forças de segurança contra essa minoria étnica; destaca um relatório da ONU sobre a situação dos Rohingyas nos primeiros meses de 2017.


Em Arakan, a parte norte do país e um núcleo de concentração Rohingya, a repressão não tem fim: de ataques policiais que terminam em ferozes caças de limpeza étnica com execuções e queima de aldeias incluídas, até uma perseguição militar que tem causado um êxodo enorme para Bangladesh, país vizinho a oeste, onde a maioria morrerá afogado em naufrágios lotados. Ao mesmo tempo, o cenário tem favorecido a criação de grupos radicais de ambos os lados, que lutam por seus direitos e pela conquista do extermínio de um povo que a própria ONU chama de "sem pátria e sem amigos".

Apesar da gravidade, o conflito não recebe a atenção necessária do resto do mundo, tanto pela campanha ideológica que começou nos Estados Unidos no início do século XXI caracterizando o muçulmano como um homem perigoso com ideais terroristas, como pelo cerco informativo mantido pelas próprias autoridades que provocam o consentimento do extermínio Rohingya.


Diante da passividade e do desinteresse internacional. Existe apenas o silêncio cúmplice que ameaça concluir um genocídio mais uma vez.

Fonte: Cultura Colectiva
Referencias: ONU/ Amnistía Internacional

Qual é a sua opinião?