Publicado em: ,

Ela drogou e colocou centenas de crianças vivas em caixões, mas quando foi descoberta, a premiaram...

Compartilhe

Chamava-se Irena Sendler e foi uma das maiores heroínas da Segunda Guerra Mundial, ao salvar centenas de crianças de origem judaica do holocausto nazista.

Seu pai, um médico em Otwock, uma aldeia a 15 km de Varsóvia, morreu de tifo contraído de um de seus pacientes quando ela tinha apenas 7 anos de idade. E em seu leito de morte ensinou-lhe o que seria a lição mais importante de sua vida.

 “Ajude sempre a quem precisa, esse é o verdadeiro sentido da vida”.

Talvez por esse motivo, Irena estudou enfermagem e ingressou nos serviços municipais de assistência social para aliviar o sofrimento dos outros. Seu trabalho se intensificou após a invasão alemã de 1939, quando se viu atolada pela miséria e a injustiça da guerra.

O medo de alguns foi à esperança de outros


Nos primeiros meses, Irena criou cantinas e forneceu roupas quentes, sapatos, medicamentos e ajuda financeira aos órfãos, aos idosos e aos pobres, sejam eles judeus ou, como ela, católicos. No entanto, após sua visita ao novo gueto de Varsóvia criado pelos nazistas em 42, Irena ficou profundamente horrorizada. As condições eram tão ruins, que sabia que sua tarefa era colocar uma fita em um mar de sangue. Ela tinha que fazer algo mais drástico.


“Consegui para mim e minha colega Irena Schulz, identificações do departamento de saúde, uma das tarefas foi à luta contra doenças contagiosas. Mais tarde, consegui obter passes para as outras colaboradoras. Como os alemães invasores tinham medo de uma epidemia de tifo, toleravam que os poloneses controlassem o recinto.'''

Com liberdade para se mover pelo gueto, Irena contatou várias famílias judias para se oferecer a tirar seus filhos pequenos de lá. Ela não poderia dar garantias de sucesso, mas faria tudo o que estivesse em seu alcance para encontrar um lugar e, talvez um dia, se reencontrarem novamente. Permanecer ali e naquelas condições, era uma morte certa para os mais pequenos.

Quase todas as famílias se recusaram, esperançadas de que a situação mudaria por si só. No entanto, após as primeiras mortes devido à doença e à fome, os pedidos de ajuda começaram a chegar.


Ao longo de um ano e meio, Irena e seus colaboradores resgataram mais de 2500 crianças. Começou a recolhê-las em ambulâncias como vítimas de tifo. Mais tarde, utilizou todo tipo de esconderijo para movê-los: sacos, cestos de lixo, caixas de ferramentas, carregamentos de mercadorias, sacos de batatas, caixões... 

Sempre guardou uma relação sobre a identidade dos menores, a qual enterrava em potes de cristal em grande profundidade. Tudo para que as crianças pudessem recuperar sua verdadeira identidade algum dia.

O Anjo de Varsóvia

Lamentavelmente, os nazistas souberam de suas atividades e, em 20 de outubro de 1943, Irena Sendler, conhecida como o Anjo de Varsóvia, foi detida pela Gestapo. Ela foi transferida para a prisão de Pawiak, onde foi brutalmente torturada e condenada à morte.


Ela era a única que sabia da identidade e o paradeiro das crianças judias, a maioria delas sendo criadas por católicos piedosos. Sua informação era a chave para realizar a purga e, embora tenha sido condenada à morte, os SS.SS decidiram não executá-la enquanto aguardava um método apropriado de tortura que afrouxaria a língua.

Irena resistiu estoicamente e, finalmente, assinaram a data de sua morte. Quando caminhava em direção ao paredão, um soldado gritou para ela em polonês: “corra”. Ela correu e se escondeu nos barracões; No dia seguinte Irena encontrou o seu nome na lista de polacos executados. Os membros da Żegota (grupo de resistência ao nazismo) haviam subornado vários oficiais para evitar sua morte em sinal de agradecimento e Irena continuou trabalhando sob um nome falso.

Enfrentou a morte várias vezes até os nazistas caírem. No entanto, e já nas mãos dos comunistas, Irena foi novamente trancada e torturada por seu passado socialista e pela ajuda de crianças Judias. Uma dessas torturas levou ao nascimento prematuro de seu filho Andrzej, que morreu três semanas depois.


Com as águas calmas, Irena desenterrou seus potes de nomes e os entregou a Adolf Berman, que com o Conselho Judaico, colocou as crianças em contato com os pais sobreviventes. Poucas famílias conseguiram sobreviver e por isso muitos foram criadas em orfanatos e mais tarde enviadas para a Palestina.

Durante muito tempo, ninguém falou do anjo de Varsóvia e foi apenas em 2007 que a Irena recebeu o Prêmio Nobel da Paz, ela apenas disse:

«A razão pela qual salvei as crianças se originou em minha casa, na minha infância. Fui educada na crença de que uma pessoa carente deve ser ajudada pelo coração, sem olhar para a religião ou a nacionalidade.»


Ele morreu em 2008, mas sua legenda ainda persiste. Que esta história sirva de inspiração para todos e como uma afetuosa homenagem.

Fonte: Wikipédia


Chamava-se Irena Sendler e foi uma das maiores heroínas da Segunda Guerra Mundial, ao salvar centenas de crianças de origem judaica do holocausto nazista.

Seu pai, um médico em Otwock, uma aldeia a 15 km de Varsóvia, morreu de tifo contraído de um de seus pacientes quando ela tinha apenas 7 anos de idade. E em seu leito de morte ensinou-lhe o que seria a lição mais importante de sua vida.

 “Ajude sempre a quem precisa, esse é o verdadeiro sentido da vida”.

Talvez por esse motivo, Irena estudou enfermagem e ingressou nos serviços municipais de assistência social para aliviar o sofrimento dos outros. Seu trabalho se intensificou após a invasão alemã de 1939, quando se viu atolada pela miséria e a injustiça da guerra.

O medo de alguns foi à esperança de outros


Nos primeiros meses, Irena criou cantinas e forneceu roupas quentes, sapatos, medicamentos e ajuda financeira aos órfãos, aos idosos e aos pobres, sejam eles judeus ou, como ela, católicos. No entanto, após sua visita ao novo gueto de Varsóvia criado pelos nazistas em 42, Irena ficou profundamente horrorizada. As condições eram tão ruins, que sabia que sua tarefa era colocar uma fita em um mar de sangue. Ela tinha que fazer algo mais drástico.


“Consegui para mim e minha colega Irena Schulz, identificações do departamento de saúde, uma das tarefas foi à luta contra doenças contagiosas. Mais tarde, consegui obter passes para as outras colaboradoras. Como os alemães invasores tinham medo de uma epidemia de tifo, toleravam que os poloneses controlassem o recinto.'''

Com liberdade para se mover pelo gueto, Irena contatou várias famílias judias para se oferecer a tirar seus filhos pequenos de lá. Ela não poderia dar garantias de sucesso, mas faria tudo o que estivesse em seu alcance para encontrar um lugar e, talvez um dia, se reencontrarem novamente. Permanecer ali e naquelas condições, era uma morte certa para os mais pequenos.

Quase todas as famílias se recusaram, esperançadas de que a situação mudaria por si só. No entanto, após as primeiras mortes devido à doença e à fome, os pedidos de ajuda começaram a chegar.


Ao longo de um ano e meio, Irena e seus colaboradores resgataram mais de 2500 crianças. Começou a recolhê-las em ambulâncias como vítimas de tifo. Mais tarde, utilizou todo tipo de esconderijo para movê-los: sacos, cestos de lixo, caixas de ferramentas, carregamentos de mercadorias, sacos de batatas, caixões... 

Sempre guardou uma relação sobre a identidade dos menores, a qual enterrava em potes de cristal em grande profundidade. Tudo para que as crianças pudessem recuperar sua verdadeira identidade algum dia.

O Anjo de Varsóvia

Lamentavelmente, os nazistas souberam de suas atividades e, em 20 de outubro de 1943, Irena Sendler, conhecida como o Anjo de Varsóvia, foi detida pela Gestapo. Ela foi transferida para a prisão de Pawiak, onde foi brutalmente torturada e condenada à morte.


Ela era a única que sabia da identidade e o paradeiro das crianças judias, a maioria delas sendo criadas por católicos piedosos. Sua informação era a chave para realizar a purga e, embora tenha sido condenada à morte, os SS.SS decidiram não executá-la enquanto aguardava um método apropriado de tortura que afrouxaria a língua.

Irena resistiu estoicamente e, finalmente, assinaram a data de sua morte. Quando caminhava em direção ao paredão, um soldado gritou para ela em polonês: “corra”. Ela correu e se escondeu nos barracões; No dia seguinte Irena encontrou o seu nome na lista de polacos executados. Os membros da Żegota (grupo de resistência ao nazismo) haviam subornado vários oficiais para evitar sua morte em sinal de agradecimento e Irena continuou trabalhando sob um nome falso.

Enfrentou a morte várias vezes até os nazistas caírem. No entanto, e já nas mãos dos comunistas, Irena foi novamente trancada e torturada por seu passado socialista e pela ajuda de crianças Judias. Uma dessas torturas levou ao nascimento prematuro de seu filho Andrzej, que morreu três semanas depois.


Com as águas calmas, Irena desenterrou seus potes de nomes e os entregou a Adolf Berman, que com o Conselho Judaico, colocou as crianças em contato com os pais sobreviventes. Poucas famílias conseguiram sobreviver e por isso muitos foram criadas em orfanatos e mais tarde enviadas para a Palestina.

Durante muito tempo, ninguém falou do anjo de Varsóvia e foi apenas em 2007 que a Irena recebeu o Prêmio Nobel da Paz, ela apenas disse:

«A razão pela qual salvei as crianças se originou em minha casa, na minha infância. Fui educada na crença de que uma pessoa carente deve ser ajudada pelo coração, sem olhar para a religião ou a nacionalidade.»


Ele morreu em 2008, mas sua legenda ainda persiste. Que esta história sirva de inspiração para todos e como uma afetuosa homenagem.

Fonte: Wikipédia

Qual é a sua opinião?