Publicado em: ,

Ela deixou que usassem seu corpo como um objeto durante 6 horas e o que aconteceu foi arrepiante

Compartilhe

A artista, Marina Abramovic, tornou público um dos seus materiais mais controversos: Ritmo 0

O ritmo 0 foi realizado em 1974 no pequeno Studio Mora em Nápoles, Itália. 




Sua ideia era muito simples, Abramovic ficaria imóvel, como um objeto inanimado, durante um período de 6 horas. Durante esse período, os participantes e visitantes poderia interagir com ela e usar até 72 itens em uma mesa próxima.

Nas mesas, a artista colocou a seguinte mensagem:



Instruções:

- Existem 72 objetos na mesa e você pode usá-los em mim como desejar.
Premissa: eu sou o objeto. Durante este período eu assumo toda a responsabilidade.
– Duração: 6 horas (20:00 pm – 02:00 am)

Havia objetos de prazer como penas, folhas de seda, flores, água... E outros de destruição como lâminas, correntes e até uma pistola com balas.

Tudo começou de forma tímida. Alguém veio decorar com flores, prende-la com uma corda a outro objeto, fazer cócegas…



Logo a mudaram de posição...



... E usaram correntes e a jogaram água, e vendo que ela continha as reações, as pessoas aumentaram a intensidade de suas ações.



O crítico de arte Thomas McEvilley, quem assistiu ao evento recorda a escala de violência que se produziu.

“Começou calmamente. Alguém lhe deu a volta. Alguém levantou seus braços no ar... Alguém a tocou intimamente...”.

Porém logo um homem usou uma lâmina de barbear para fazer um corte em seu pescoço e o outro escolheu usar os espinhos de uma rosa para arranhar sua barriga



“Às três horas, eles cortaram suas roupas com uma lâmina de barbear. Às 4, as mesmas lâminas começaram a ferir sua pele. Várias agressões sexuais foram realizadas, mas ela estava tão comprometida com a peça que ela teria resistido até a um estupro ou seu próprio assassinato”, explica McEvilley.

Na verdade, alguém a colocou apontando uma arma carregada contra seu corpo.



Nas ultimas horas, a performance tornou-se ainda mais assustadora



“Senti-me violada”, Recorda Abramovic. “Eles cortaram minhas roupas e me desnudaram em parte, me atingiram com rosa de espinhos em meu estomago e a arma estava apontada”...  

O resultado? 



Com esta performance, Abramovic mostrou a rapidez com que a violência se intensifica em relação a outras pessoas quando as circunstâncias são favoráveis para aqueles que a exercem.

Depois de seis horas e uma vez terminado o experimento, Abramovic andou pela sala, mas os atendentes evitaram olhar seu rosto. As pessoas se comportavam com certa normalidade, como se quisessem esquecer sua agressão e como gostaram de lhe fazer dano.

“Esta obra releva algo terrível sobre a humanidade. Mostra o quão rapidamente uma pessoa pode machucá-lo em circunstâncias favoráveis. Mostra o quão fácil é desumanizar uma pessoa que não luta, que não se defende. Mostra que se você fornecer o cenário, a maioria das pessoas "normais", ao aparecer, podem chegar a ser verdadeiramente violentas".

Sem dúvida, um trabalho tão controverso quanto interessante e esclarecedor que agora você pode ver em vídeo junto com os comentários da artista em inglês perfeito.


Fonte: Elite Readers, Lavozdelmuro


A artista, Marina Abramovic, tornou público um dos seus materiais mais controversos: Ritmo 0

O ritmo 0 foi realizado em 1974 no pequeno Studio Mora em Nápoles, Itália. 




Sua ideia era muito simples, Abramovic ficaria imóvel, como um objeto inanimado, durante um período de 6 horas. Durante esse período, os participantes e visitantes poderia interagir com ela e usar até 72 itens em uma mesa próxima.

Nas mesas, a artista colocou a seguinte mensagem:



Instruções:

- Existem 72 objetos na mesa e você pode usá-los em mim como desejar.
Premissa: eu sou o objeto. Durante este período eu assumo toda a responsabilidade.
– Duração: 6 horas (20:00 pm – 02:00 am)

Havia objetos de prazer como penas, folhas de seda, flores, água... E outros de destruição como lâminas, correntes e até uma pistola com balas.

Tudo começou de forma tímida. Alguém veio decorar com flores, prende-la com uma corda a outro objeto, fazer cócegas…



Logo a mudaram de posição...



... E usaram correntes e a jogaram água, e vendo que ela continha as reações, as pessoas aumentaram a intensidade de suas ações.



O crítico de arte Thomas McEvilley, quem assistiu ao evento recorda a escala de violência que se produziu.

“Começou calmamente. Alguém lhe deu a volta. Alguém levantou seus braços no ar... Alguém a tocou intimamente...”.

Porém logo um homem usou uma lâmina de barbear para fazer um corte em seu pescoço e o outro escolheu usar os espinhos de uma rosa para arranhar sua barriga



“Às três horas, eles cortaram suas roupas com uma lâmina de barbear. Às 4, as mesmas lâminas começaram a ferir sua pele. Várias agressões sexuais foram realizadas, mas ela estava tão comprometida com a peça que ela teria resistido até a um estupro ou seu próprio assassinato”, explica McEvilley.

Na verdade, alguém a colocou apontando uma arma carregada contra seu corpo.



Nas ultimas horas, a performance tornou-se ainda mais assustadora



“Senti-me violada”, Recorda Abramovic. “Eles cortaram minhas roupas e me desnudaram em parte, me atingiram com rosa de espinhos em meu estomago e a arma estava apontada”...  

O resultado? 



Com esta performance, Abramovic mostrou a rapidez com que a violência se intensifica em relação a outras pessoas quando as circunstâncias são favoráveis para aqueles que a exercem.

Depois de seis horas e uma vez terminado o experimento, Abramovic andou pela sala, mas os atendentes evitaram olhar seu rosto. As pessoas se comportavam com certa normalidade, como se quisessem esquecer sua agressão e como gostaram de lhe fazer dano.

“Esta obra releva algo terrível sobre a humanidade. Mostra o quão rapidamente uma pessoa pode machucá-lo em circunstâncias favoráveis. Mostra o quão fácil é desumanizar uma pessoa que não luta, que não se defende. Mostra que se você fornecer o cenário, a maioria das pessoas "normais", ao aparecer, podem chegar a ser verdadeiramente violentas".

Sem dúvida, um trabalho tão controverso quanto interessante e esclarecedor que agora você pode ver em vídeo junto com os comentários da artista em inglês perfeito.


Fonte: Elite Readers, Lavozdelmuro

Qual é a sua opinião?