Publicado em:

Desesperado e com a filha faminta, ele vendia canetas até que um estranho tirou uma foto de sua filha e descobriu isto

Compartilhe

Um homem trabalhava em uma fábrica de chocolates como gerente, a mesma em que ganhava o suficiente para se manter e cobrir todas as necessidades de sua pequena filha,  inclusive às vezes até costumava dar-lhe pequenos luxos pois que pai não gosta de mimar os filhos? Porém, ele só a tinha, e não contava com mais ninguém no mundo.

Eles viveram muito bem no Líbano, mas, infelizmente, devido à guerra, eles tiveram que se refugiar em Yarmouk e deixar toda sua vida para trás; Sem um peso em sua mão, o homem começou a vender canetas para alimentar sua filha.

De repente a vida nos surpreende e nos dá golpes tão duros só para demonstrarmos a nós mesmo o quão forte somos. Este homem de ser um gerente e ganhar muito bem passou a vender canetas na rua com sua filha pequena em seus braços. Além disso, eles não tinham um telhado para se abrigar, nem uma cama confortável como a que dormiam tampouco comida. Mas, assim como a vida arranca tudo de forma inesperada, também nos dá grandes surpresas como recompensa por toda a nossa dor ou arrependimento.

Em uma ocasião em que o homem estava nas ruas vendendo as canetas, um homem chamado Gissur Simonarson, que é ativista da Noruega, se comoveu com a cena, pois o homem parecia aflito, descuidado, seus olhos refletiam tristeza e muito desespero, porém  em seus braços ele carregava sua filha com profundo amor, protegendo-a de todo o perigo. Gissur não hesitou em tirar uma foto para compartilhar suas redes sociais e assim convidar as pessoas a compartilha a fim de torná-lo viral e sensibilizar o mundo inteiro sobre a situação que estávamos vivenciando, porque a vida dos refugiados dá uma mudança tão drástica que nem podemos imaginar, mesmo assim, vendo a situação, muitos preferem fechar os olhos em vez de abrir o coração e ajudar conforme possibilidades. "Vendedor anônimo" foi o nome que recebeu a fotografia e claro, ela teve muitas reações e comentários.



 Felizmente, a intenção de Gissur deu bons resultados, tão bons que eles propuseram fazer uma campanha para doar um pouco do que cada um tinha assim o homem poderia voltar a começar com mais do que conseguia no trabalho, ele poderia ser ajudado com um telhado e comida, principalmente por sua menina. A generosidade das pessoas alcançou quase os 100 mil dólares, o mesmo valor que foi entregue ao vendedor.


Graças a essas pessoas de bom coração, pai e filha têm um teto e uma cama. Imediatamente ele propôs procurar um emprego e com o dinheiro que ele deixou das doações, pretende ajudar outros refugiados retornando parte da generosidade das pessoas.



Atualmente com o dinheiro arrecadado investiu de forma inteligente e abriu várias restaurantes onde trabalham pessoas refugiadas e fornecem doações para os refugiados


Abdul disse: “Não só mudaram minha vida, mas a dos meus filhos e os de todas as pessoas da Síria que consegui ajudar com o trabalho e doações”.

COMPARTILHE esta bela história para que possamos tomar consciência da situação das pessoas afetadas pela guerra.

Fonte: culturahoy


Um homem trabalhava em uma fábrica de chocolates como gerente, a mesma em que ganhava o suficiente para se manter e cobrir todas as necessidades de sua pequena filha,  inclusive às vezes até costumava dar-lhe pequenos luxos pois que pai não gosta de mimar os filhos? Porém, ele só a tinha, e não contava com mais ninguém no mundo.

Eles viveram muito bem no Líbano, mas, infelizmente, devido à guerra, eles tiveram que se refugiar em Yarmouk e deixar toda sua vida para trás; Sem um peso em sua mão, o homem começou a vender canetas para alimentar sua filha.

De repente a vida nos surpreende e nos dá golpes tão duros só para demonstrarmos a nós mesmo o quão forte somos. Este homem de ser um gerente e ganhar muito bem passou a vender canetas na rua com sua filha pequena em seus braços. Além disso, eles não tinham um telhado para se abrigar, nem uma cama confortável como a que dormiam tampouco comida. Mas, assim como a vida arranca tudo de forma inesperada, também nos dá grandes surpresas como recompensa por toda a nossa dor ou arrependimento.

Em uma ocasião em que o homem estava nas ruas vendendo as canetas, um homem chamado Gissur Simonarson, que é ativista da Noruega, se comoveu com a cena, pois o homem parecia aflito, descuidado, seus olhos refletiam tristeza e muito desespero, porém  em seus braços ele carregava sua filha com profundo amor, protegendo-a de todo o perigo. Gissur não hesitou em tirar uma foto para compartilhar suas redes sociais e assim convidar as pessoas a compartilha a fim de torná-lo viral e sensibilizar o mundo inteiro sobre a situação que estávamos vivenciando, porque a vida dos refugiados dá uma mudança tão drástica que nem podemos imaginar, mesmo assim, vendo a situação, muitos preferem fechar os olhos em vez de abrir o coração e ajudar conforme possibilidades. "Vendedor anônimo" foi o nome que recebeu a fotografia e claro, ela teve muitas reações e comentários.



 Felizmente, a intenção de Gissur deu bons resultados, tão bons que eles propuseram fazer uma campanha para doar um pouco do que cada um tinha assim o homem poderia voltar a começar com mais do que conseguia no trabalho, ele poderia ser ajudado com um telhado e comida, principalmente por sua menina. A generosidade das pessoas alcançou quase os 100 mil dólares, o mesmo valor que foi entregue ao vendedor.


Graças a essas pessoas de bom coração, pai e filha têm um teto e uma cama. Imediatamente ele propôs procurar um emprego e com o dinheiro que ele deixou das doações, pretende ajudar outros refugiados retornando parte da generosidade das pessoas.



Atualmente com o dinheiro arrecadado investiu de forma inteligente e abriu várias restaurantes onde trabalham pessoas refugiadas e fornecem doações para os refugiados


Abdul disse: “Não só mudaram minha vida, mas a dos meus filhos e os de todas as pessoas da Síria que consegui ajudar com o trabalho e doações”.

COMPARTILHE esta bela história para que possamos tomar consciência da situação das pessoas afetadas pela guerra.

Fonte: culturahoy

Qual é a sua opinião?