Publicado em:

As 5 meninas mais perversas da história

Compartilhe
Você não vai querer se deparar com uma desse tipo no meio da rua!

1.A pequena Nevada-tan


Quantos anos é preciso ter para matar? No dia 1º de junho do ano de 2004, Natsumi Tsuji, de 11 anos, foi até uma sala vazia da sua escola com a sua colega alegando que queria fazer um jogo com ela, vendou seus olhos, e em seguida, degolou a menina a sangue frio com seu estilete – e ainda lhe causou vários outros cortes nos braços. 

Só esse fato já é completamente absurdo, mas a história ainda piora. Natsumi Tsuji, que estava com as roupas cheias de sangue, entrou na sua aula como se nada tivesse acontecido. Obviamente o seu professor ficou completamente assustado ao ver a menina naquela situação e ainda segurando um estilete, por isso chamou os diretores, que logo descobriram o que aconteceu.

2. O plano mortal de Jasmine Richardson


Você provavelmente já ouviu falar nessa história: Jasmine Richardson, de 12 anos,  planejou matar o pai, a mãe e o irmão mais novo da garota, isso porque ela não gostou quando sua família tentou impedi-la de ver seu namorado, que era 11 anos mais velho. Em depoimento, eles contaram que o irmão implorou por sua vida: “Eu estou com medo. Eu sou muito jovem para morrer” , disse o garoto antes de sua irmã esfaqueá-lo no peito e o namorado cortar garganta dele.

3. Queria saber como era matar


Com apenas 15 anos, Alyssa Bustamante confessou que cortou a garganta e esfaqueou uma conhecida de 9 anos de idade apenas para saber como se sentia matando alguém (sim, foi o que ela disse durante o seu julgamento). 

Em seu julgamento, um trecho de seu diário foi lido: “Eu a estrangulei, cortei a garganta e a esfaqueei, então agora ela está morta. Eu não sei como estou me sentindo. Foi incrível. Logo que passa a sensação de ‘oh, meu Deus, eu não posso fazer isso’, é realmente prazeroso. Agora estou meio nervosa e tremendo. Tenho que ir para a igreja agora... (risos)”.

4. Amigas assasinas


Essa história aconteceu aqui no Brasil. Com apenas 13 anos, Fabíola Santos Correa foi assassinada por duas “amigas” em Minas Gerais. As colegas pegaram Fabíola e a levaram para um matagal. 

Por lá, encostaram uma faca na garganta dela, que tentou se defender e por isso acabou sendo cortada acidentalmente. Para resolver tudo, acabaram mantando Fabíola. Dizem que o delegado que cuidou do caso contou que uma das assassinas confessou ter aberto o peito da garota e tirado seu coração lá de dentro enquanto ele ainda batia.

5.Ataque nos EUA


Essa é mais uma daquelas histórias bizarras que acontecem nas escolas dos EUA. Em 1979, a escola Groover Cleveland Elementary School, em San Diego, recebeu uma chuva de tiros absurda. Depois de 6 horas tentando tirar o atirador do local, a polícia descobriu que a culpada era uma adolescente de apenas 16 anos, Brenda Spencer.

No seu depoimento Brenda Spencer disse que atirou apenas por diversão, e alegou que “foi como atirar nos patos de um lago. As crianças pareciam um rebanho de vacas andando por lá, foi fácil acertá-las ”.

Fonte: [ Mundo Pocket ]

Você não vai querer se deparar com uma desse tipo no meio da rua!

1.A pequena Nevada-tan


Quantos anos é preciso ter para matar? No dia 1º de junho do ano de 2004, Natsumi Tsuji, de 11 anos, foi até uma sala vazia da sua escola com a sua colega alegando que queria fazer um jogo com ela, vendou seus olhos, e em seguida, degolou a menina a sangue frio com seu estilete – e ainda lhe causou vários outros cortes nos braços. 

Só esse fato já é completamente absurdo, mas a história ainda piora. Natsumi Tsuji, que estava com as roupas cheias de sangue, entrou na sua aula como se nada tivesse acontecido. Obviamente o seu professor ficou completamente assustado ao ver a menina naquela situação e ainda segurando um estilete, por isso chamou os diretores, que logo descobriram o que aconteceu.

2. O plano mortal de Jasmine Richardson


Você provavelmente já ouviu falar nessa história: Jasmine Richardson, de 12 anos,  planejou matar o pai, a mãe e o irmão mais novo da garota, isso porque ela não gostou quando sua família tentou impedi-la de ver seu namorado, que era 11 anos mais velho. Em depoimento, eles contaram que o irmão implorou por sua vida: “Eu estou com medo. Eu sou muito jovem para morrer” , disse o garoto antes de sua irmã esfaqueá-lo no peito e o namorado cortar garganta dele.

3. Queria saber como era matar


Com apenas 15 anos, Alyssa Bustamante confessou que cortou a garganta e esfaqueou uma conhecida de 9 anos de idade apenas para saber como se sentia matando alguém (sim, foi o que ela disse durante o seu julgamento). 

Em seu julgamento, um trecho de seu diário foi lido: “Eu a estrangulei, cortei a garganta e a esfaqueei, então agora ela está morta. Eu não sei como estou me sentindo. Foi incrível. Logo que passa a sensação de ‘oh, meu Deus, eu não posso fazer isso’, é realmente prazeroso. Agora estou meio nervosa e tremendo. Tenho que ir para a igreja agora... (risos)”.

4. Amigas assasinas


Essa história aconteceu aqui no Brasil. Com apenas 13 anos, Fabíola Santos Correa foi assassinada por duas “amigas” em Minas Gerais. As colegas pegaram Fabíola e a levaram para um matagal. 

Por lá, encostaram uma faca na garganta dela, que tentou se defender e por isso acabou sendo cortada acidentalmente. Para resolver tudo, acabaram mantando Fabíola. Dizem que o delegado que cuidou do caso contou que uma das assassinas confessou ter aberto o peito da garota e tirado seu coração lá de dentro enquanto ele ainda batia.

5.Ataque nos EUA


Essa é mais uma daquelas histórias bizarras que acontecem nas escolas dos EUA. Em 1979, a escola Groover Cleveland Elementary School, em San Diego, recebeu uma chuva de tiros absurda. Depois de 6 horas tentando tirar o atirador do local, a polícia descobriu que a culpada era uma adolescente de apenas 16 anos, Brenda Spencer.

No seu depoimento Brenda Spencer disse que atirou apenas por diversão, e alegou que “foi como atirar nos patos de um lago. As crianças pareciam um rebanho de vacas andando por lá, foi fácil acertá-las ”.

Fonte: [ Mundo Pocket ]

Qual é a sua opinião?